Bang!

outubro 28, 2014 at 8:21 pm 1 comentário

BangComo um tiro. A memória que arde no peito tipo uma bala. Queima. Com olhos comprimidos, me pego com os dentes mordendo o lábio inferior. Finjo não sentir o que o tempo cicatrizou. Sangue. Bombeado rápido nas veias, acelerando o palpitar do coração. Pressão sobe, mãos gelam. Dor. No peito, não na consciência. Como quem paga uma puta e não pede troco. Sano a dívida do jogo, mas a vida cobra caro e não parcela os juros. Prometo. Nunca mais arriscar quando sei que o erro é certo. Troco a música no ipod pro som me levar pra longe. Vivo. Personagem sofrido em música feita para outros amores. Uma selfie postada sem filtro com legenda salpicada de mensagem subliminar. Sorriso em polaroide fingindo felicidade. Aquele check-in em rede social para dizer onde estou. Aonde vou? Rodo em círculos no caminho que escolhi. Escolho por me prender dentro do lugar em que todos querem sair. Pra me entorpecer e me esquecer da bala que arde em meu peito. Memória. Para arrancá-la de mim no estampido. Como um tiro.

Bruno Cazonatti

Anúncios

Entry filed under: Ácidos.

O fundo do poço como aconchego Tudo o que não aconteceu é perfeito.

1 Comentário Add your own

  • 1. J. Geraldes de Carvalho  |  outubro 30, 2014 às 7:01 pm

    Desculpe mas poderá dizer-me o que é feito da ANA M que tinha -tem- o blog ” A casa da Nina” ? Há tanto tempo que está desaparecida…
    Agradecido
    GERALDES DE CARVALHO

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:

  • Obrigado, São Judas. Sobrevida ao Zé. Time que quer ser campeão não pode depender de sorte. 2 days ago
  • Já está na hora de pedir um Waldermar Lemos no lugar do Zé Teimoso Ricardo. 2 days ago
  • Oi gato! Você está triste porque eu perdi o pênalti? Fica tisti não. ( @orricopontocom ) https://t.co/R4T3L9sYxA 3 days ago
  • Desde a Era Bruno não tínhamos um goleiro de alto nível. Bem vindo, Diego Alves! Goleirão @Flamengo! Enfim uma realidade, chega de apostas! 1 week ago
  • São dois times que brigam por título. Hoje perdemos.Faz parte, não existe time invencível. Tem muito campeonato pela frente. Nada acabou. 1 week ago

%d blogueiros gostam disto: