Troquei seu perfume por um engradado de cerveja barata

agosto 12, 2014 at 7:54 pm Deixe um comentário

superluaEu vi e admirei a super lua radiante, brilhando enorme naquele manto negro do céu de saudade. Escuro, tipo o café que curou da ressaca de um amor inexistente. Porra, me deu até vontade de escrever um belo texto de amor. Mas que se foda, sabe? Essa coisa toda de romantismo e ternura não existe mais. Só existe amor no Tinder, interação virtual que dispensa saliva. Bem putão, saca? Tipo os meus personagens. Ah, logo eu, quem deveria acreditar mais em foda do que em fada, pra nunca ousar trocar ouro por bijuteria barata. E essa coisa falsa dourada, tipo a luz imprópria desta lua, e também a cor dos fios de cabelos pintados das putas, essas coisas que, porra, é tudo uma baita mentira poética.

Besteira pura essa minha capacidade de redigir texto em forma de arma, que nunca atira e falha. Rascunhar um verso tolo pra fingir que me esqueci do seu rosto, gosto e cheiro. Pra quê, se eu já troquei seu perfume por um engradado de cerveja barata? Entretanto, guardei rabisco num pedaço de guardanapo sujo , escrito que ainda te amo por nós dois. Só para me confortar, ao relembrar que vi a porra da super lua e não me esqueci, quase, de tudo. Porém, hoje, prefiro meu silêncio repleto de certezas, meu sorriso disfarçado e bobo, nunca mais tolo, que camufla a minha impureza nas antigas vontades. Tudo isso regado à cevada, por causa  da maldita super lua, radiante, brilhando enorme naquele manto negro do céu de saudade…

Bruno Cazonatti

Entry filed under: Ácidos.

Balela em papel de bombom Pra quem ficou para o vento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: