Archive for abril, 2014

Pra nunca mais nos sentirmos sós

coraçãoO destino não é acaso. E ela me fez acreditar mesmo nisso. Cada vez mais, que a cada dia menos quero estar só. Mais, só com ela. Deu liga, encaixe, ou aquele negócio que resolvi chamar de sincronismo. Aquela paz que dá no peito, de ter a sorte de contemplar cada sorriso. Vidas que se cruzam, que se parecem em enredos disformes. Uma chance para nós, de um errado que deu certo. O sol que me traz um novo tempo. Dessa sintonia que é difícil de encontrar, e que me faz querer lutar para querer pra sempre.

Me perco olhando em seus olhos, sem balbuciar palavra alguma. Contemplando o rosto, aproveitando cada cor. Decifrando. Confirmando que esse sentimento cresce e que fica difícil adjetivar o sentimento. Mas, apenas para não assustar, pra não encabular. Porque pra mim é tudo mesmo verdadeiro, apesar de poder parecer tão cedo. Tanto em tão pouco. Pouco tudo que ainda não me basta. Um querer de mais e mais.

Cada beijo é como se fosse o primeiro. Cada toque, um arrepio. Sensações que se renovam toda vez que eu encosto nela. Minhas mãos passeiam por cada poro, não sossegam.  Não cansam. Nossos sussurros, gozos e resmungos. Lua. Porque os corpos parecem ter ímãs que procuram encaixes, mesmo quando o sono bate. Ofereço carinhos sem fim, e um coração numa bandeja. Mesmo que ela esqueça, meus olhos gritam mais do que qualquer palavra dita. E cada olhar berra promessa de amor sincero.

Um fascínio não passageiro. Alguém que encontrei sem procurar. Quis e quero, conquistando todos os dias, a cada novo despertar.  E eu vou em busca da felicidade, fazendo cada momento nosso, o começo de algo que nunca termina. Mostrando a ela, um dia de cada vez, que é única, que é livre mesmo sendo minha. Porque sou dela, só dela. Pra fazer o melhor, amar de verdade como nunca antes. Pra nunca mais nos sentirmos sós.

Bruno Cazonatti

abril 28, 2014 at 6:55 pm Deixe um comentário


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:

  • Obrigado, São Judas. Sobrevida ao Zé. Time que quer ser campeão não pode depender de sorte. 2 days ago
  • Já está na hora de pedir um Waldermar Lemos no lugar do Zé Teimoso Ricardo. 2 days ago
  • Oi gato! Você está triste porque eu perdi o pênalti? Fica tisti não. ( @orricopontocom ) https://t.co/R4T3L9sYxA 3 days ago
  • Desde a Era Bruno não tínhamos um goleiro de alto nível. Bem vindo, Diego Alves! Goleirão @Flamengo! Enfim uma realidade, chega de apostas! 1 week ago
  • São dois times que brigam por título. Hoje perdemos.Faz parte, não existe time invencível. Tem muito campeonato pela frente. Nada acabou. 1 week ago