Archive for novembro, 2011

Rum com Hortelã

Este texto começou a ser rascunhado na semana passada de um mês atemporal ao momento em que você o lê. Pois tudo já é pretérito. E a coisa toda começou quando me esqueci de escolher caminhos mais longos, caindo no engano de pegar um atalho que me trouxe a um bar, numa esquina que já serviu de recanto para uma paixão-refúgio. Quando o garçom me trouxe aquela bebida feita com rum e hortelã, um trailer relâmpago rondou minha mente e eu me lembrei dela.

Olha que deu um trabalho danado me livrar de todas as memórias, mas, de repente, lá estava eu novamente recordando os sentimentos passados, a paixão consumida e a amizade que um dia já existiu. E tudo isso veio antes do primeiro gole naquele destilado com limão. As lembranças são como pertences trancados num quarto escuro, repletas de poeiras, onde eu as deixo quietinhas, fingindo não estarem mais por ali. Tudo por acreditar que não serve mais o que aconteceu ontem. Não importou o tempo que nos faltou, importa como aproveitamos o tempo que estivemos juntos.

Hoje não há mais espaço para a memória, apenas para o silêncio que não é dividido por pura indiferença. Eu não dou brecha nem para os sussurros. Não vejo, não leio, não sinto e não a quero mais por perto. Na verdade nem sei se está viva ou morta, feliz ou triste, amando ou sendo amada como realmente merece. Só tenho plena certeza que negando tudo isso, já é uma forma de me lembrar dela. Fazer o quê se sou imprevisível, inquieto e precoce? E permaneço fracassando nas promessas. Mas eu ainda sou o mesmo, sabe? E continuo usando meu velho All Star, escutando os Stones e, às vezes, bebendo rum com hortelã. Só não me permito mais ficar de ressaca. Garçom, traz a conta! Pois tudo já é pretérito.

Bruno Cazonatti

novembro 9, 2011 at 2:10 pm 2 comentários


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:

  • Obrigado, São Judas. Sobrevida ao Zé. Time que quer ser campeão não pode depender de sorte. 2 days ago
  • Já está na hora de pedir um Waldermar Lemos no lugar do Zé Teimoso Ricardo. 2 days ago
  • Oi gato! Você está triste porque eu perdi o pênalti? Fica tisti não. ( @orricopontocom ) https://t.co/R4T3L9sYxA 3 days ago
  • Desde a Era Bruno não tínhamos um goleiro de alto nível. Bem vindo, Diego Alves! Goleirão @Flamengo! Enfim uma realidade, chega de apostas! 1 week ago
  • São dois times que brigam por título. Hoje perdemos.Faz parte, não existe time invencível. Tem muito campeonato pela frente. Nada acabou. 1 week ago