Só Para Quem Ainda Não Aprendeu a Voar

junho 30, 2010 at 5:30 pm 3 comentários

null

Felicidade é um reggae bom, curtido com folhas de bananeira, mel e aroma de flor. Tudo doce tal início de paixão que cisma em virar amor. E quando o sentimento aflora, tudo fica que nem cor de pôr do sol refletida no espelho de mar manso, de água quente e ondas suaves. É tudo assim tão doce e ameno. O som invade e eleva, fazendo com que a mente flutue sem muita umidade relativa do ar.

É verdade que nem sempre se pode encontrar um arco-íris no final do pote de ouro. Afinal, quem procura nas jóias o verdadeiro valor, fica cego com o dourado e não enxerga as tantas cores da aurora. Quanto brilho há no sol então? Nessa atmosfera nem sempre se pode ouvir gotas de orvalho beijando o solo. Assim não há como fertilizar o verdadeiro apego. A vida é a maior riqueza.

Não existe sonho perdido. Só para quem ainda não aprendeu a voar. Isso é fácil quando você tem o coração como amuleto. E ninguém toma, pois está dentro do peito atento, no compasso ideal. Me diz, há quanto tempo você não vê um cometa? Se você sempre abrir o guarda-chuva, não vai saber quando é gota d’água ou estrela cadente querendo lhe banhar.

Há tanto aroma na vida e, volta e meia, a brisa traz cheiro de fruta. O problema é quando o óleo queima e entope as nossas narinas. O capitalismo bebe a alma, um mal que não se pode ver. Mas, não cultive tristeza! Pra curar essa enfermidade é preciso pôr os pés descalços na areia e deixar a maresia envolver o corpo. Mergulha de cabeça na maré de positividade, se afogue na vida. Liberdade é banho de mar e despertador quebrado.

Entry filed under: Ácidos.

Naufrágio de Corpo e Mente O Vulgar do Amor

3 Comentários Add your own

  • 1. Guarana  |  julho 1, 2010 às 1:56 am

    “Se vc sempre abrir o guarda-chuva não vai saber quando é gota d`água ou esrela cadente querendo te banhar.”
    Perfeito pra mim isso.
    Finalmente gostei de outra vez da sua escrevinhação!

    Responder
  • 2. João Paulo  |  agosto 16, 2010 às 3:27 am

    Metáforas, metáforas benditas que abrilhantam seus escritos, Bruno.
    abração.

    Responder
  • 3. Paola Guidolin  |  agosto 25, 2012 às 1:48 am

    Incrível, impressionante, lindo, já está nos meus favoritos!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: