Canalha, Quase Romântico

junho 7, 2010 at 7:33 pm 3 comentários

Ainda bem que nem deu tempo para eu querer te expulsar da minha vida. Você saiu de ralo, com uma teoria banal e tola sem consulta prévia à minha consciência infame. Que beleza! Nem precisei simular desculpa tola ou clichê. Confesso que fiquei assustado com a atitude repentina, afinal, nem deu o tempo de eu enjoar por completo. Nem vou desdenhar do coito, pois seria hipocrisia falar que foi tudo meia-boca. Poderia ser cretino sim, ratificando que já tive melhores trepadas do que as semi-básicas praticadas contigo. Mas nem vou enfatizar isso.

Apesar das circunstâncias e de tudo que eu te falei sobre o não-compromisso, você acabou por achar mesmo que o nosso caso poderia ser tipo novelinha das oito. É impressionante como a televisão pode persuadir as pessoas. Fala sério! Jamais lhe reservaria um espaço em meu peito casto. Só uma mulher ocupa vaga cativa, querida. Pena que sua cabecinha de noz moscada não te faça entender que não é preciso papel passado pra gozos e gemidos. Olha que eu pensei estar lidando com mulher… Era algo quase romântico.

Olha como eu sou babaca! Parece até que eu estou me remoendo por pura vaidade. Nem preciso dizer que não sou nada além do que mais um homem safado que passou pela sua vidinha. Sua atitude só me poupou de dar o stop antes do último ato, pois no fundo você tem consciência de que jamais a enganei com esta minha lábia de filho da puta. Aprendi na rua e com as demais quengas que passaram nas camas da minha biografia cretina. Você se aproveitou da mesma forma que eu a usei. Tudo bem curtido sem prazo de validade ou data de fabricação impressa no meu rótulo de canalha.

Entry filed under: Ácidos.

Gozo na Carne do Fêmur Naufrágio de Corpo e Mente

3 Comentários Add your own

  • 1. Ana Carolina Freitas  |  junho 9, 2010 às 12:37 pm

    kkkkkk Nem preciso falar que eu adorei!!!!! 😉
    “Cabecinha de noz moscada” foi de foder!!!! kkkkkkk

    Adoro!!!!!

    Beijos Bruno!

    Responder
  • 2. Barbara  |  junho 12, 2010 às 1:57 am

    A arte da palavra é mesmo pra vc!!! Parabens!!! Otimo texto…

    beijosss

    Responder
  • 3. João Paulo  |  junho 23, 2010 às 12:14 am

    Legal, Bruno.
    Texto coeso. Permite ao leitor reflexões extensivas à vida.
    Muito bom mesmo.
    Abração,

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: