Poesias entre Lençol, Suor e Pudor

setembro 28, 2009 at 9:03 pm 2 comentários

Não faço bom uso do tempo que tenho, mas sempre soube a hora certa de partir. Juro não conhecer a melhor forma de contar pra ela, pois tem outra na esquina à minha espera. Tantas cores e cheiros entram na minha vida sem parar e não me deixam por os pés no chão para negar o instinto. Nuances e aromas que remetem ao bom cheiro que ela tem. Tufão que derrubou o jarro da sala e arrancou a minha calça jeans. Várias horas de orgia desvairada, monogamia absurda e letal. Sem traição, mas com orgasmo. Um cheiro de sexo impregnando as paredes daqueles míseros centímetros, espaço que não cabe qualquer sentimento.

Mudo. Sem barulho ou sussurro. Fodendo e devorando com os olhos insólitos. Esbugalhado. A boca se ocupa em beijos e lambidas safadas, sem balbuciar gemido ou palavra. Morde e assopra. Goza. Trocando de posição como quem troca de estação de rádio, tirando e botando, num ritmo desvairadamente pragmático e incessante. Vem e vai, sem canção inspirada por donzela ou adaptação das cartas de amor. Interessante era a calcinha enfeitando a cabeceira da cama. Rosa instigante. De lembrar me deixa o pau duro, bem chulo. Lembro-me da fenda molhada, jorrando tesão e misturando as sensações que não são separadas entre a mente e o coração.

Vivo o momento em ponto sem vírgula. Tal a perda do trema sem tremer na base de um lirismo informal. Filminho de Hitchcock com macarrão ao sugo e queijo ralado. Taça de vinho vazia e fome de taras. Tudo assim sem nexo e tatibitate, para ter coerência com a melodia do abrir de tampa de um pote de mel. Formiga sedenta por uma cigarra que brada algo em busca do calor ofegante. No fim tem um maço de qualquer cigarro com marca vagabunda, paraguaia. Trago fundo, gole na água filtrada, sem pena ou perda de romantismo e selvageria. Marca das unhas cravadas nas costas e mais algumas horas de prazer. Coisa de homem bicho sem perder tempo em conquistar poesias entre lençol, suor e pudor.

Culpa das curvas vadias da meretriz rampeira. Sem eira nem beira, só troca de favores e prazeres distintos. Grana e carne. Sem apego e compromisso formal. Porque a mim só interessa tudo o que ela tem do lado de fora. O que tem dentro, só existe por causa do que exibe externamente. Eu não gosto de você, eu só gozo em você. Pode cobrar o capital sem som de violino. Tipo mambo e tango, num ritmo que dura o prazer da dança, mas não é constante e singelo. Pago a conta e ganho até sobremesa. Três notas de cem e a consciência de não precisar do amor. Pelo menos nesta noite em que eu não fiz bom uso do tempo. Bom mesmo é ter a certeza de que sempre sei a hora certa de partir.

Entry filed under: Ácidos.

Capaz, rapaz. Azucrinação do Caralho

2 Comentários Add your own

  • 1. Rebeca  |  outubro 8, 2009 às 10:26 pm

    Adorei!

    Responder
  • 2. Ale  |  outubro 28, 2009 às 1:17 pm

    “A primeira lei que a natureza me impõe é gozar à custa seja de quem for”.
    (Sade , Doantien )

    Cada palavra sua nos leva ás cenas desse teu filme chamado vida.
    Espero pelos próximos capitulos.
    Sempre extraordinário.
    rsrsrsrs.
    Beijoo
    Ale

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: