Archive for agosto, 2009

Está bom ou falta Sal

falta sal

Ela nunca guarda as cartas de amor que recebe. Deteste esse papel de protagonista endeusada em linhas repletas de rimas e palavras doces. Na verdade, ela prefere se guardar para as cartas de amor. Aquelas com texto legível e palavras coloridas com cheiro de amoras. Difícil é encontrar esse aroma em dias de pouco sentimento, pois a maioria dos príncipes encantados só pensa em copular. Mãos bobas que preferem seios e coxas, longe de palavras bonitas em letras de fôrma.

Às vezes é bom agradecer por existir limites, pois nunca se sabe onde vai dar o infinito. Ela, que também nunca soube o tamanho do céu, tem plena certeza de que até as estrelas deixam de brilhar quando é hora do sol. Penumbra é dar voltas na mesma frase, sem palavras novas que remetam à falta de luz. E tem os atalhos, como aquele da cigarra. Ora, todo mundo sabe que quando ela canta, um dia quente amanhã virá. Nem é preciso bola de cristal.

Não dá para ser feliz sem ter alguém que nos cause soluços. Ela sabe disso. Sente a falta daquela queimação no peito e ansiedade na véspera de um encontro. Mas, há cautela. Não dá para ser frágil a vida toda. Ah, se ela soubesse o que os homens cochicham entre si… Todos bobos e safados. É da natureza, fazer o quê? Mas, quando eles amam de verdade, é tão discreto tal prato de canja quente em dia frio. Não espalham e não sussurram se está bom ou falta sal. Nem deixam derramar uma gota!

Mas há um problema: ela não gosta de letra ilegível. Mesmo que haja coragem e vontade, é preciso treinar os traços em caderno de caligrafia. Tudo bem que não é para ser tão exigente afinal, qualquer um faz poesia com as palavras erradas que se tornam certas para quem as lê. Imagina ser cega e não poder ler nas entrelinhas. Ela precisa ser menos exigente e entender que a solidão é uma saudade com endereço escrito à mão em um envelope sem destinatário.

Anúncios

agosto 17, 2009 at 8:27 pm 3 comentários


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:

  • Aos trancos e barrancos, isso aqui é @Flamengo! 2 weeks ago
  • O @Flamengo não jogou NADA o ano inteiro. Não tem poder de decisão algum. Mas vamos lá nos iludir com o "ano mágico 2018". 2 weeks ago
  • Vamos torcer pros caras honrarem o polpudo salário em dia e classificar nessa competição pra, ao menos, termos um prêmio de consolação 2 weeks ago
  • Parece que as pessoas se contentam com a porra de um Carioca e acha que o resto vem na sorte, vem no "deixa a vida me levar"... 2 weeks ago
  • Quase não tenho usado o Twitter, porque me torno repetitivo e parece que os meses, os anos, não passam. Tudo a mesma coisa. 2 weeks ago