Relaxa, Querido (reloaded)

julho 15, 2009 at 7:42 pm 7 comentários

A transparência ressaltante de seu singelo decote deixou seus seios empinados à mostra. O contorno de suas nádegas não ofuscava as rendas de sua calcinha saliente, delineando a formosura de sua saia justa. Ofereci-lhe uma taça de vinho tinto safra 1973. Puro e lascivo. Gole após tragos e mais afagos envoltos numa nuvem de incensos odor de sexo.

Línguas inquietas e pálpebras umedecidas pelo entorpecer de cada toque nos poros. Silêncio. Da sala para o quarto e na cama king size, no tamanho de nosso prazer. Faísca nos riscar de fósforo e ardência em brasa de nossos corpos em chama.

Chamou-me pra sentar ao seu lado e tragar a fina erva boliviana. Faltou ar. Asmática, precisava de sua bombinha. Logo agora que eu trilhava o caminho rumo ao seu vértice mais afável. Verifiquei com a palma de minha mão as covas rasas de suas pernas. Ela tímida balbuciou algo como estrias e celulites. “Que mal há nisso, mulher?” O ímpeto corre agudo ao norte, de frente ao finito profundo. Negação. Vasculhava em sua bolsa a bomba de ar e eu doido em nervos para bombardear-lhe em cheio. “Calma”.

Gelo, um cubo para ouriçar seus mamilos. “Ai, gelado” -ronronou. “Chata”, pensei. Leite moça, para melar o seu sexo lambuzado de vontade. “Não, isso é nojento”. Remexia seus pertences e nada de achar o spray pra jorrar goela a dentro. Eu pensando saliências, com a firme ereção de meu pensamento pagão. “Não dá”. Como não dava? O motel era caro, o vinho já estava com as 10 parcelas no cartão (com juros) e eu já estava posto seminu, na cueca samba-canção e minhas meias finas. “Sem meu sprayzinho, não dá”. Indaga cruel. O prazer, antes grudado nas entranhas agora tinha a exata proporção de uma brochada clássica. Desanimei.

O menino dormiu profundo pra não acordar mais. “Relaxa querido, isso acontece…” Porta a fora, se foi rumo à farmácia 24hs na esquina. Ela, o meu tesão e a minha nuvem carregada de testosterona. Trancafiei-me em minha frustrada aventura. E logo ela, toda formosa e sorridente, mostrou-se assim tão, tão…insuportável! Sim, talvez fosse culpa da samba-canção ou das meias. Ou seria o incenso, o vinho, o ar gélido do quarto. Não sei. Só sei que homem come de tudo, incluso as feias. Mas, as chatas não! Essas a gente nem degusta.

Entry filed under: Ácidos.

Sentimentos Defuntos Está bom ou falta Sal

7 Comentários Add your own

  • 1. Ale  |  julho 16, 2009 às 5:19 am

    Bruno…
    Você conta tão bem que me senti a própria “voyer” dessa história.
    Beijooooo

    Responder
  • 2. João Paulo  |  julho 21, 2009 às 4:32 pm

    Como sempre, muito bom o texto, racionalmente digno.

    abração,

    Responder
  • 3. sergio marcone  |  julho 23, 2009 às 9:34 pm

    Oi, Cara. Vc tem notícias do Sergio Catarro Verde??
    Abç!!

    Responder
  • 4. Bárbara (B.)  |  julho 27, 2009 às 1:16 am

    Está sem escrever textos novos, moço?
    A inspiração fugiu? Ou foi o tempo?

    Beijo meu.

    Responder
  • 5. Confesso  |  agosto 9, 2009 às 10:04 pm

    Que que é isso que encontrei navegando na net?

    Delícia de texto, bem escrito, diferente, sensual, irônico, prazeirozo…
    Aff, concordo plenamente com você, que venham os feios, mas os chatos…

    Beijos encantados…

    Responder
  • 6. Carol Rodrigues  |  agosto 17, 2009 às 2:40 am

    “Sem meu sprayzinho, não dá”.

    um sucesso esse post!
    *-*

    Responder
  • 7. marthanunes  |  setembro 2, 2009 às 9:24 am

    Quer coisa mais terrível que chatos? ^_^
    Uma delícia de texto.

    Beijos doces.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: