Archive for março, 2009

Espectador Oblíquo

Espectador Oblíquo

Eu só me lembro das cores. Remetia medo. O vermelho-sangue estampando o asfalto, aquarela de um corpo sem alma, com um furo na testa. Dezenas se aglomeraram para ver a cena. O espetáculo da tragédia. Dava pauta, prosa e palpites diversos. Tinha gente anotando o número do prédio, bem em frente onde o corpo estava. Era para o jogo do bicho, ou a sorte na Mega Sena. Um cadáver na cena sem apostas.

O guarda acendeu um cigarro e afastou o povo. Alguns metros marcados com fita amarela. Só faltava o giz para contornar a última posição do defunto. Sirenes. Um pequeno relâmpago anunciava a chuva. O bradar da trovoada veio junto com os primeiros pingos. Ninguém havia escutado o estampido. Foi assalto, ou vingança? Não se sabe a sentença. Só restou a carne morta com bala na cabeça.

O morto estendido no chão a um passo, a um olhar dos que trafegam pela rua. E são comentários dos que sentem repúdio, murmurinhos de quem sente pena. É um corpo qualquer, um indivíduo a mais à distância da multidão. O saco preto minimiza a imagem, mas a garoa virou dilúvio e as gotas da chuva carregam o sangue para o bueiro. Escoando todo tipo de sentimento. A dor dos parentes, o espanto dos transeuntes e o cansaço dos policiais, por mais uma estatística. Uma obra prima da sarjeta, em tela real.

Já tem rabecão e um cara carregando máquina fotográfica afastando os bombeiros. Queria registrar a posição, coisa de perícia. Gesto mórbido naquela calçada-caixão. As horas correm, a cena fica comum. Os olhos se acostumam com a violência. Sou mais um espectador oblíquo. Aos poucos pego meu rumo e volto ao cotidiano. Sem velar corpo, sem participar de enterro. Não me recordo sequer o rosto do morto. A tragédia é mais uma imagem na memória, mas a gente só se lembra das cores.

março 31, 2009 at 2:22 pm 7 comentários


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:

  • Obrigado, São Judas. Sobrevida ao Zé. Time que quer ser campeão não pode depender de sorte. 2 days ago
  • Já está na hora de pedir um Waldermar Lemos no lugar do Zé Teimoso Ricardo. 2 days ago
  • Oi gato! Você está triste porque eu perdi o pênalti? Fica tisti não. ( @orricopontocom ) https://t.co/R4T3L9sYxA 3 days ago
  • Desde a Era Bruno não tínhamos um goleiro de alto nível. Bem vindo, Diego Alves! Goleirão @Flamengo! Enfim uma realidade, chega de apostas! 1 week ago
  • São dois times que brigam por título. Hoje perdemos.Faz parte, não existe time invencível. Tem muito campeonato pela frente. Nada acabou. 1 week ago