Longe das Migalhas de Alguns

novembro 4, 2008 at 4:25 pm 9 comentários

Vida

Meu mundo é um quarto com a cama bagunçada. Pode deitar, mas o lençol é amarrotado e o travesseiro não tem fronha. Minha vida é revirada. Assim como meus olhos antes do orgasmo ou do sono. Mas, calma lá! Essa cama não é perfeita ou engomada, tipo as de hotel. É um leito já usado, amarfanhado e batido com a indisciplina dos corpos que já se deleitaram e se deitaram por aqui. Há tantos itens entulhados e vividos. Poeira nos cantos e teias. Rastros de aranhas.

Minha vida é tal beirada de rio e mar. Sem praia ou duna de areia rala. Coqueiro com sombra de dúvidas e certezas com sabor de água de coco. Calmaria em cheias sem lua nova para abrilhantar a falta do sol. Mar doce na borda que se pinta em ondas rasas de espuma branca. Noutra margem, há salgadas ondas turbulentas para eu não achar que a vida é cor de rosa. Rede furada é alento com brisa que balança, mesmo quando não me movimento. Turva e límpida é a maré que confunde os grãos de areia com farelo de esperança.

Pronomes possessivos chegam com a benção do consumismo barato. Onda boa é ser alguém sem ter algo, mas com ego. E sem eco, guardo-me em frascos de ética mesquinha sem jamais contar com a sorte do acaso. Sem ser ateu ou carregar cruz. Bem longe das migalhas de alguns. Tudo assim sem janela ou porta de entrada, porém nunca sem ter uma saída de emergência. Fuga boa é entre as regras que não condizem com a realidade. Sou eu quem emprega os verbos sem predicados. Deixo faltar uma necessidade de conjugar o tempo. Deixo a fé ser maior que o improvável. Sou ogã de mim. Sou alguém.

Entry filed under: Ácidos.

As Íris do Soberano Céu Palavras Que Não Poderia Ter Dito

9 Comentários Add your own

  • 1. Bruno Cazonatti  |  novembro 4, 2008 às 4:31 pm

    Querid@s,

    Depois de quase quatro anos sem ter descanso, consegui 3 semanas de férais. Por isso demorei algum tempo para atualizar.
    Em breve voltaremos com a nossa publicação normal.

    Sds

    Responder
  • 2. João Paulo  |  novembro 10, 2008 às 12:57 am

    Férias são sempre bem vindas. Acho que estou precisando tb de férias, pena que só posso aproveitar alguns momentos quando vou apresentar algum trabalho em eventos, daí acabo aproveitando um pouco as cidades visitadas.

    Como disse em outras oportunidades, a blogosfera é mesmo um espaço importante, pois nos proporciona conhecer pessoas especiais, só tenho a agradecer. Vc tem se mostrado muito especial, através dos textos e atenção que sempre transmite.

    Aproveita, amigo!

    abração,

    Responder
  • 3. Luana  |  novembro 10, 2008 às 7:34 pm

    lindo

    Responder
  • 4. Christiani Rodrigues  |  novembro 12, 2008 às 1:11 am

    Aproveite e traga coisas lindas como estas…bj

    Responder
  • 5. Pataca  |  novembro 13, 2008 às 12:07 am

    Ótimo texto, como sempre! Abraço!

    Responder
  • 6. ficcaobarata  |  novembro 13, 2008 às 2:50 am

    muito bom texto.
    meu mundo tende a ser assim tb, acho que está na hora de arrumar a cama.

    Responder
  • 7. Maísa *Pupila  |  novembro 16, 2008 às 2:39 am

    Há tanto não venho por aqui,

    sem regras do tempo…
    mas é momento de escrever
    Parabéns!
    beijos poéticos

    Responder
  • 8. Carol  |  novembro 17, 2008 às 6:59 pm

    Minha vida é meio igual a tua cama… revirada…

    adorei o texto

    Responder
  • 9. Ariane Rodrigues  |  novembro 22, 2008 às 12:38 am

    Gostaria muito que somente a minha cama estivesse revirada! Abraço!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: