Saciando Todos os Gostos que lhe Apetecem Viver

julho 26, 2007 at 4:36 pm 32 comentários

Prisma Entrou correndo no quarto, atirou a bolsa na cama, tirou o sapato, despiu-se e mergulhou no espelho. Reflexo grande, para não se esquecer da menina, agora mulher. Pele, pêlos e gene. Decidiu colocar uma música, dedilhou a estante e puxou o cd do U2. Bailou ao som de ‘Desire’, no hiato entre a gaita, guitarra e sua lembrança grata, daquele rapaz que incendiou sua alma. E aquele sentimento novo lhe fez refletir sobre uma frase que ela leu ali, em algum livro de outrora, enfatizando que “nem sempre o essencial é visível aos nossos olhos”. Olhava sua imagem e não acreditava que, logo ela, dura feito pedra, ex-donzela que já sofreu por uma espera tola na expectativa da chegada de um príncipe, estava encantada por aquele homem. Paixão. Deveria ser mesmo a paixão que lhe invadiu o corpo, mente e os poros. Sim, pois ela ainda tinha o cheiro dele no âmago da epiderme, nas profundezas da alma.

Acendeu um cigarro e soprou um anel de fumaça torto, meio oval. Um círculo que ela imaginou ser o rosto dele. Uma fantasia causada pela magia de um sentimento sedutor. Euforia que já não sentia há tempo, alegria de dentro pra fora, coisa de quem aprendeu primeiro a se amar, antes de permitir ser por alguém. Colocou a guimba no cinzeiro que trouxe do motel e foi até a cozinha, preparar um sanduíche de mortadela. Sorriu ao relembrar aquela voz rouca lhe falando ao pé do ouvido que “É dentro de nós que temos que encontrar as respostas e o sentido da vida”. Fechou o pão e pensou alto:
E a resposta dessa dor de estômago está neste sanduíche de mortadela.

E ela, que achava que tudo não passaria apenas de mais uma trepada, tinha agora a fome de viver um sentimento novo, devorando e engolindo bem devagar toda aquela saborosa emoção. Saciando todos os gostos que lhe apetecem viver. Jogou-se no sofá bege, abraçando a almofada marrom. Lembrou-se dos olhos dele, do perfume e do cheiro de aurora em suas roupas. Suspirou e quis olhar as estrelas. Direcionou seus olhos para a janela e foi aí que o sentimento mudou. Com a luz do quarto acessa e a cortina escancarada, viu dois adolescentes na sacada da varanda do prédio da frente com seus binóculos. Nua, escondeu o sexo atrás da almofada e correu pra trás das cortinas, fechando-as rapidamente
Homens! – bradou fula.

Logo após o incidente, que alegrou os adolescentes e a fez ruborizar rapidamente, ela novamente se lembrou dele e de sua voz rouca “É dentro de nós que temos que encontrar as respostas e o sentido da vida”. Com as cortinas fechadas, mas ainda nua, ela teve uma de muitas respostas que ainda viriam. Naquele instante, sentiu-se como um prisma. Brilhando, resplandecendo cores sempre que os raios de sol apareciam ao lembrar-se daquele homem, que reacendeu a paixão dentro dela. E mesmo quando a noite chega trazendo a escuridão, o seu verdadeiro cintilar é revelado. Justamente por ela ter agora uma luz nova do lado de dentro. Uma chama iluminando paixão. Nesse momento, ela soube que nem as cortinas poderiam mais ofuscar a sua luminosidade.

Entry filed under: Ácidos.

Vida Remota Groselha

32 Comentários Add your own

  • 1. Carol  |  julho 26, 2007 às 8:06 pm

    UAU!
    impressiona nos detalhes.
    muito bom

    Responder
  • 2. Carol  |  julho 26, 2007 às 8:30 pm

    Estava pensando em te pedir a mesma coisa…
    siinta-se a vontade.
    bjos

    Responder
  • 3. Edna  |  julho 26, 2007 às 10:07 pm

    Ah…a paixão faz a gente dançar, cantar, gritar, pular.
    Quem descobre a paixão, nunca mais é o mesmo…
    Beijo

    Responder
  • 4. Erika  |  julho 26, 2007 às 10:34 pm

    A vida entrando por todos os poros.

    Beijo

    Responder
  • 5. luana  |  julho 26, 2007 às 11:22 pm

    hmm,, tô meio sumida neh??tava sem pc..:/ mas agora que voltou, de volta estou aos comentarios.. 😀
    eiba..
    eh eh sempre mui bom te ler..
    textos que sempre prendem minha atenção, eu não os leio, devoro-os!!
    o final..adorei! eu diria: eh feliz! 🙂
    tava precisando, vou ler mais vezes, alguma coisa tem q entrar na minha cabecinha..

    vlw
    namastê!
    x*

    Responder
  • 6. mila  |  julho 27, 2007 às 1:42 am

    parece que ele ensinou muita coisa a ela né? será que agora ela já tá fluorescendo de tanta luz? virou o sol na vida de alguém…

    adorei pra variar!
    ;*

    Responder
  • 7. Bárbara P  |  julho 27, 2007 às 5:33 pm

    Nem a teimosia dele em querer usar óculos escuros…

    Responder
  • 8. Lorita  |  julho 27, 2007 às 6:07 pm

    Tomara que nem a decepção [se ela vier, é claro] arranque esse gosto da boca da moça!
    Bjm e bom fim de semana

    Responder
  • 9. Aline  |  julho 27, 2007 às 8:55 pm

    Olá!
    Estranha Lucidez já não mais entre nós 🙂
    Vc sempre brilhante e perfeito nos detalhes.
    Vim deixar um abraço saudoso e meu novo endereço.

    Bjos!

    Responder
  • 10. Nilza  |  julho 28, 2007 às 1:22 am

    Adoreiiiiiiiiiii..rico demais em detalhes ..hehe Eu ri do anel oval..é assim mesmo
    Beijos

    Responder
  • 11. Erika  |  julho 28, 2007 às 3:31 pm

    Eu adorei o banner novo.

    Responder
  • 12. B.  |  julho 28, 2007 às 3:47 pm

    Moço, tem mimo pra ti lá no blog.
    Espero que gostes.

    Bisous.

    Responder
  • 13. Elza  |  julho 29, 2007 às 3:12 am

    Vivendo e sentindo tudo que amaturidade traz!!
    Adorei o novo barner, cores fortes!!
    bom domingo
    =]

    Responder
  • 14. Nilza  |  julho 29, 2007 às 5:17 pm

    Olá!!
    essa luz é maravilhosa!

    Vim deixar um beijo e desejos de uma ótima semana.

    Se puder passe por lá, eu gostaria de saber sua resposta
    sobre o tema da minha enquete.

    Responder
  • 15. Girassol  |  julho 30, 2007 às 3:34 pm

    Não existe nada melhor que esses momentos em que alguém muda os parâmetros da nossa vida, e nos ilumina a alma e o corpo deixando-nos parecidos com pirilampos.
    Adorei o texto, tem cheirinho bom de alegria e doses generosas de esperança.
    Beijo.

    Responder
  • 16. mila  |  julho 31, 2007 às 12:26 am

    muito bom o design do titulo!
    ;*

    Responder
  • 17. Alê Namastê  |  julho 31, 2007 às 3:19 pm

    Opa!
    Blog com cara nova!? Eu adoro renovações…ah! seus textos tb!

    Responder
  • 18. Christiani Rodrigues  |  julho 31, 2007 às 10:24 pm

    P q ela não se deitou num sofá vermelho? rs….bjos…Chris

    Responder
  • 19. Christiani Rodrigues  |  julho 31, 2007 às 10:25 pm

    P q ela não se deitou num sofá vermelho? rs….bjos…Chris
    Tá tudo bonito aqui!!!!

    Responder
  • 20. Aline Virgílio  |  julho 31, 2007 às 11:46 pm

    Esses sentidos da vida… Ainda vão libertar o mundo!

    Responder
  • 21. Fina Flor  |  agosto 1, 2007 às 9:07 pm

    É sempre assim, a paixão acontece quando menos se espera :o)

    beijos, querido

    MM

    Responder
  • 22. Sônia  |  agosto 2, 2007 às 12:24 am

    “mesmo quando a noite chega trazendo a escuridão,
    o seu verdadeiro cintilar é revelado”…adorei isso!

    Abraço Bruno!

    Responder
  • 23. Tânia  |  agosto 2, 2007 às 7:40 pm

    Ai que delícia de detalhes…engraçado para alguns são borboletas na boca do estômago (meu caso) mas para a maioria paixão é assim um mixto de descritivo com sensações indescretível …
    Beijo querido…

    Responder
  • 24. Paldi  |  agosto 3, 2007 às 1:16 am

    Belo blog o seu meu caro. Passa lá no meu!

    Responder
  • 25. camiles  |  agosto 3, 2007 às 3:19 pm

    paixão é quase igual uma vela dentro da gente!

    Responder
  • 26. elisabetecunha  |  agosto 3, 2007 às 6:18 pm

    perfeito BRUNO
    feliz final de semana!

    elisabete cunha

    Responder
  • 27. ariane  |  agosto 3, 2007 às 11:30 pm

    seu texto invadiu o corpo, a mente e os poros…
    colocou-me dentro das letras, entrou na profundeza da alma,
    iluminou a noite.
    muito belo!

    beijo

    Responder
  • 28. lunna  |  agosto 4, 2007 às 10:31 pm

    Oi Bruno.
    Adorei o conto, gostei bastante dos detalhes e da forma sutil que encontrou para descrever a paixão. Ficou perfeitamente lúcida ao mesmo tempo em que falta lucidez ao personagem. Algo típico de uma paixão.
    Beijos e bom fim de semana.

    Responder
  • 29. Milla Loureiro  |  agosto 5, 2007 às 5:58 pm

    Sabe, gosto desses detalhes nos textos…
    Vc se saiu sempre muito bem…

    Adoro essa acidez cotidiana!

    Aceita um café com creme?

    bjs

    Responder
  • 30. Rubina  |  agosto 5, 2007 às 10:12 pm

    E assim chega o amor. Será a sorte de um amor tranquilo, com sabor de fruta mordida?? 🙂

    Responder
  • 31. Ju Cunha  |  agosto 7, 2007 às 7:50 pm

    Texto muito envolvente!
    Sensacional =)
    Bjos

    Responder
  • 32. Mary  |  agosto 11, 2007 às 8:32 am

    Lindo texto, Bruno!
    Bem-humorado e cheio de poesia…
    Beijoss 🙂

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: