Anseios de Voltas na Lua

junho 18, 2007 at 5:35 pm 40 comentários

Anseios de Voltas na Lua Antecipou o vôo e sorriu pela metade, quando a atendente o chamou para fazer o check-in no balcão. Estava voltando sem nenhuma perspectiva de carinho para aquele fim de tarde. Horas antes, sabia que ela não poderia passar aquela noite com ele, entrelaçada em seus abraços fartos e afagos quentes. Esperou um bom tempo para que ela o notasse. E assim, de repente, já estavam tão perto. Profundamente próximos em pensamentos, mas distantes fisicamente.

Recostou a cabeça na poltrona e afivelou o cinto. Lembrou-se da constelação que havia descoberto em seus olhos, das estrelas e dos cometas que avistou naquela imensidão de mulher. Interrompeu sua viagem pessoal com a voz do comandante informando um atraso na partida. Os controladores de vôo estavam atrapalhando somente as suas lembranças. Ele estava fisicamente ali, mas com a cabeça nela. Relembrava todos os detalhes, os movimentos e os gestos. Sorria só de imaginar novamente aquelas curvas oscilando movimentos de prazer a cada toque, beijo e deslize de mãos no dorso, na nuca.

Atenção tripulação, preparar para decolagem” a sonora do piloto interrompeu novamente. Ao decolar, deixou o pensamento vagar pelas nuvens da incerteza e perdeu seu olhar no horizonte alaranjado. Pegou seu celular e tirou uma foto do pôr do sol. Enviou via SMS para o dela. Estava a milhas de distância daquela boca, daquele corpo. Ainda estava com o gosto dela nos lábios e o cheiro impregnado em seus poros. Mas, queria que ela visse a aurora indo embora, dando vida àquela noite escura e fria. Pelo menos pela tela do seu celular, ela poderia ver o que ele sentia naquele momento.

Senhor
Sem ela e sem os raios de sol, pra aquecer seu corpo e iluminar a alma.
Por favor, senhor!”
Sem ela e sem estrelas e cometas, pra viajar até o espaço.
Senhor, por favor!”
– Ãh? Sim, desculpe-me – Respondeu de supetão à aeromoça.
– Não é permitido o uso de aparelho celular durante o vôo.
– Mas, eu não estou utilizando, só tirei uma foto…
– É proibido, senhor. Por favor, desligue-o.

Sorriu pela metade, quando a aeromoça solicitou que desligasse o seu celular. Estava voltando sem nenhuma perspectiva de carinho para aquele início de noite. Pois a imagem que ela receberia pelo celular, foi enviada acima das nuvens. Com vontades de voltas na lua, sob um céu de estrelas. E mesmo que a viagem esteja apenas no início, a turbulência nos sentimentos já começou.

Entry filed under: Ácidos.

Claridade Amor Em Vão

40 Comentários Add your own

  • 1. Alê Quites  |  junho 18, 2007 às 8:23 pm

    Você é maravilhosamente criativo.
    Tenha uma ótima semana nas nuvens
    Beijos*

    Responder
  • 2. Edna  |  junho 18, 2007 às 8:30 pm

    Obrigada pela visita e vou adorar que volte sempre.
    Assim como gostei muito da sua crônica, parabéns!

    Responder
  • 3. Jac. C.  |  junho 18, 2007 às 10:18 pm

    Olá… te encontrei entre os cupidos do R Lima e fico feliz que tenha retribuído minha visita aqui.
    De fato, seu blog exala amor.
    Nunca estive num avião… lendo seu texto me transportei pra cena como quem lê um livro e fica ali, de espectadora.
    Hummm… vc escreve muito bem, rapaz!
    Bom te ler… bjs.

    Responder
  • 4. Nilza  |  junho 18, 2007 às 11:46 pm

    Eu volto sempre..adoro seus contos.

    beijos

    Responder
  • 5. Márcia(clarinha)  |  junho 19, 2007 às 2:24 am

    Que maravilhosa sensação [embora triste] estar nas nuvens aquece a alma e faz lembrança aflorar cheiro e sabor criando esperanças de um dia…
    beijosssss

    Responder
  • 6. Erika  |  junho 19, 2007 às 10:33 am

    Eu amo voar. É engraçado que eu tenho pânico de altura, mas lá em cima, dentro de um avião, eu sou capaz de tudo. Engraçado.
    Tudo!!! Capaz de tudo!!! Soa como prá sempre, né? Tempo demais!.

    Beijos

    Responder
  • 7. Lubi  |  junho 19, 2007 às 11:13 am

    Estou vendo que você só precisa de papel e caneta mesmo. As idéias fluem.

    Um beijo.

    Responder
  • 8. Cacau  |  junho 19, 2007 às 11:30 am

    Eu, lááááááá no alto, só pensaria numa coisa: no medo do avião despencar.

    Bonito texto. Gostei muito.

    beijos

    Responder
  • 9. mila  |  junho 19, 2007 às 11:47 am

    Gostei demais disso aqui. Você escreve muito! É uma inspiração 😉

    e claro que pode se aconchegar quando quiser..

    beijo moço!

    Responder
  • 10. emiliacls  |  junho 19, 2007 às 12:51 pm

    só de passagem, pra uma boa leitura já pela manhã!

    😉

    Responder
  • 11. renato  |  junho 19, 2007 às 1:04 pm

    Gostei muito do seus textos! Vou passar sempre por aqui.
    Abs

    Responder
  • 12. lunna  |  junho 19, 2007 às 4:37 pm

    Delicioso seu texto, estava lendo e a cada palavra ficava imaginando o que viria a seguir: pensei que ele morreria e tudo que ficaria seria uma foto além nuvens. Mas você deixou o seguinte para o depois. O que houve? Posso pensar e você nunca me dirá… Tudo bem: gosto dos desfechos inesperados e das surpresas que revelam possíveis lágrimas.
    Abraços e muitas nuvens para sua alma e pele.

    Responder
  • 13. luana  |  junho 19, 2007 às 11:13 pm

    nousssaaaa
    eu que dei voltas na lua lendo esse texto..:))
    que coisa boa de se ler..pelo menos ele tem alguem em quem pensar r sonhar e esperar e amar e ficar com anseios de dar voltas na lua..x) isso é um previlegio nos dias de hoje..

    “lembrou-se da constelação que havia descoberto em seus olhos, das estrelas e dos cometas que avistou naquela imensidão de mulher..”
    uau..

    ja pensou alguem flando isso pra vc..ahh meu deus, me derreteria tda..! :))
    x**

    Responder
  • 14. Sônia  |  junho 20, 2007 às 12:27 am

    Adorei o texto!
    Decolar assim é bom demais…rs

    Boa noite!

    Responder
  • 15. nathalie lourenço  |  junho 20, 2007 às 1:11 am

    ai, que aeromoça estraga-prazeres
    grrr

    Responder
  • 16. Anônimo  |  junho 20, 2007 às 2:13 am

    seu blog acaba de ganhar um prêmio. Blog com Tomates.
    http://nathalia0105.blogspot.com/2007/06/prmio.html

    Responder
  • 17. Elza  |  junho 20, 2007 às 1:16 pm

    Era coca-cola, sou uma viciada.
    rsrs…

    Viajei aqui hoje, obrigada, tava desejando isso.
    bj
    =]

    Responder
  • 18. Bárbara P  |  junho 20, 2007 às 1:42 pm

    Como esse moço viaja! E eu continuo achando que ele deveria viver uma tórrida paixão com a moça da companhia aérea.

    Responder
  • 19. Aline Ribeiro  |  junho 20, 2007 às 1:45 pm

    Ninguém merece despedidas viu?

    bjo moço

    Responder
  • 20. Girassol  |  junho 20, 2007 às 3:28 pm

    Estava aqui já com vontadinha de reclamar a respeito de ele poder ter o celular ligado nos aviões e eu não!
    Tenho viajado muito com os seus textos. Há qualquer coisas nas viagens que me desperta a necessidade de avaliar e reflectir sobre as coisas vividas, e por viver… e claro, os sonhos acima das nuvens têm um gosto especial, mesmo que não tenhamos altas expectativas.

    Beijos

    Responder
  • 21. Lubi  |  junho 20, 2007 às 4:54 pm

    toc-toc.

    Responder
  • 22. B.  |  junho 20, 2007 às 7:02 pm

    Turbulência no sentimentos… me identifiquei muito com isso…

    Responder
  • 23. Marcelo  |  junho 20, 2007 às 8:23 pm

    Amigos

    Roubaram de novo as senhas de meu Orkut, Blog e Gmail.

    Realmente não entendo porque essa gente decidiu me perseguir mas, dessa vez, preferi fazer outro Blog.
    Peço desculpas à todos vocês pelo trastorno.

    Esse é o novo link de meu Blog.
    Grato pela paciência,

    Responder
  • 24. Jaque  |  junho 20, 2007 às 10:02 pm

    Oi,
    adorei seu espaço. Voltarei sempre. E nem tem nada de ácido…é só poético mesmo. Perfeito!
    Beijos

    Responder
  • 25. João Paulo  |  junho 20, 2007 às 11:14 pm

    Mesmo com as idas e vindas com sucesso ou não, esse contexto com aviões e outras modernidades nos fazem refletir e ler outras coisas implícitas.

    Abração!

    Responder
  • 26. Milla loureiro  |  junho 20, 2007 às 11:42 pm

    Receber um jesto de carinho quando estamos inspirados e apaixonados nos faz pessoas gigantes.

    Adoro a forma que escreve…escreve cotiadiano e ainda vou chegar lá!

    Grande inspirador para meu blog.

    Peça a aeromoça um café com creme!

    =)

    Responder
  • 27. Cau  |  junho 21, 2007 às 2:10 am

    Ai, Bruno…
    Tem umas coisas que vc escreve que não consigo comentar. Parece até que fui eu quem sentiu… chega a doer… vai vendo. Eu vi esse pôr do sol, vi também o alvorecer e a saudade era igual.
    Ó… indiquei seu blog pra uns selinhos no Mar… só não tive tempo de vir aqui avisar. risosss
    Beijocas

    Responder
  • 28. Fina Flor  |  junho 21, 2007 às 4:01 am

    Seria tudo muito chato se não houvessem turbulências, não acha? rs*

    beijos, aperte os cintos [ou solte-os, como preferir, kkk] e boa sorte

    MM

    Responder
  • 29. Andy  |  junho 21, 2007 às 12:43 pm

    Oi Bruno,

    Belo post, pra aquecer o coração…
    Mesmo no fim de uma viagem.

    Abraços.
    Andy

    Responder
  • 30. elisabetecunha  |  junho 21, 2007 às 8:41 pm

    ótimo post!

    voltei!!!!

    Responder
  • 31. Paulo Fernando  |  junho 21, 2007 às 9:31 pm

    Eu prefiro viajar nos seus textos! Estou apredendo a sonhar um pouco mais a partir do que leio nessas linhas…

    Abraços, meu querido!
    Saudações tricolores!

    Ps: Neste ano o seu timeco não escapará da degola! rsrs

    Responder
  • 32. ariane  |  junho 22, 2007 às 1:09 am

    momento de pura sensibilidade…

    nas nuvens ficamos nós com suas letras… 🙂

    beijos

    Responder
  • 33. cabrita  |  junho 22, 2007 às 12:44 pm

    vou passar o endereço do seu blog pro Borat.. podexá!

    Responder
  • 34. Tânia  |  junho 22, 2007 às 1:05 pm

    Em tempos de caos, nada como passear pela sensibilidade e poder flutuar…
    Beijo querido, excelente fim de semana.

    Responder
  • 35. Sônia  |  junho 22, 2007 às 5:44 pm

    Desculpe o incômodo, mas flechei você no meu blog! rs

    Abraço!

    Responder
  • 36. emiliacls  |  junho 23, 2007 às 8:48 pm

    O caos aéreo e o sentimental. 😛

    Eu me senti nesse avião, a saudade e a impossibilidade do contato. é triste não conseguir saciar a vontade de ‘tudo’ com quem se quer bem.

    ;D

    aqui em recife é são joão e a minha rua tá cheia de fogueiras, muito forró… e eu escutando bjork pra voar até teus textos e mudar o ritmo do meu pensamento.
    :*

    Responder
  • 37. Nilza  |  junho 24, 2007 às 1:56 am

    Olá!

    Vim retribuir o carinho que tenho recebido sempre de vc e desejar um ótimo domingo.

    Deixo um pensamento que acho bastante curioso:

    Uma comissão consiste de uma reunião de pessoas importantes que, sozinhas, não podem fazer nada, mas que, juntas, decidem que nada pode ser feito. (Fred Allen)

    Beijos

    Responder
  • 38. Rubina  |  junho 24, 2007 às 9:50 pm

    Bruno

    Você viaja muito, não é? Vai acabar com uma aeromoça…lol…

    Responder
  • 39. Fuini  |  junho 25, 2007 às 9:45 am

    Preciso dizer que são 6 e meia da madrugada de uma segunda feira e a doida aqui tá acordada desde 4 horas, lendo blog, vendo orkut pq tá com insônia, de tanta feijoada, cerveja e caipirinha que tomou no aniversário de uma colega de trabalho…….

    uhauhauhauhauhauha

    Responder
  • 40. Fina Flor  |  junho 25, 2007 às 7:01 pm

    Boa semana, meu bom……….

    beijocas

    MM

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: