Sapatos Feitos de Isopor e Saudade

março 14, 2007 at 11:44 am 9 comentários

sapatos de isopor Suspiro e respiro na hora em que preciso descrever em linhas, os sentimentos meus. Inspiro-me nos vai-e-vem da vida, nos brandos versos das meninas lindas e no barulho do desembrulho dos presentes aguardados. Calo na ponta dos pés ao percorrer os caminhos da chuva com sapatos feitos de isopor e saudade. Insanidade. Abraço o infinito no espaço dos amigos que faço ao decifrar segredos guardados na minha mente sã. O céu incendeia o azul-laranja quando o sol mostra a sua cara e enxota a lua e as estrelas para brilhar um novo sonho. Lá de cima, Deus percebe que ninguém além de mim apreende o bailar dos pontos transparente de energia cósmica. Talvez esse seja o segredo em minhas palavras doidas que me ajudam sempre a ressuscitar.

Entry filed under: Ácidos.

Hoje é Para a Marida Lembranças de um Doce Cafuné na Cuca

9 Comentários Add your own

  • 1. Iara Maria  |  março 15, 2007 às 4:35 pm

    o segredo da palavra está em ti. o segredo de nós está na palavra. essa fusão é nossa vida!

    um abraço!

    Responder
  • 2. Luz  |  março 15, 2007 às 11:42 pm

    Já começa que eu adorei esse título!!! :o)

    Responder
  • 3. Aline  |  março 16, 2007 às 2:31 am

    Preciso de sapatos para aquecer a minha vida.

    Beijo.

    Responder
  • 4. Bela  |  março 16, 2007 às 1:05 pm

    Pois, aconchegue-se.
    E seja bem-vindo, Bruno!
    Bjo
    Bela

    Responder
  • 5. Juliana  |  março 16, 2007 às 6:29 pm

    texto diferente… universal..

    beijo

    Responder
  • 6. Ediney Santana  |  março 16, 2007 às 8:59 pm

    camarada,foi boa a leitura dos teus textos esta tarde..volto sempre no desejo de outras coisas áciadas

    Responder
  • 7. Tânia  |  março 17, 2007 às 11:49 pm

    Ah Bruno, escrevi uma vez que raros momentos são aqueles que nos aquece a alma da lembrança…assim como um sapato de isopor.
    Beijo de tenha um ótimo fim de semana.

    Responder
  • 8. Ana  |  março 19, 2007 às 1:53 pm

    a última frase que disse, sobre ressucitar, me fez pensar no que escrevi ontem, numa carta: antes dela, da palavra, o vazio é uma quase-morte. o vazio é a experiência do fim. quando ainda não se acabou. é você se ver morto, ainda em cima dos seus sapatos.
    seja lá de que forem feitos. adorei o título. adorei.

    Responder
  • 9. Elton Cruz  |  março 19, 2007 às 4:41 pm

    Mal posso esperar pelo seu livro. Ótimo texto!!!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: