Germinando Aurora

dezembro 14, 2006 at 11:18 am 6 comentários

Ela observava atentamente os pingos finos da chuva gélida naquela tarde de outono cinza. Estava encolhida em seu cobertor verde musgo, com medo dos relâmpagos que berravam as trovoadas mais nervosas. Pensou na vida, na rotina, no trabalho e na poesia que escrevia num caderninho pequeno que ganhou de seu amante. Um homem tão gentil e carinhoso, dono de suas inspirações mais coloridas. Sentada na varanda sobre o frio do vento e os respingos das gotas da já fraca chuva, acendeu seu cigarro e olhou ao relento. Saudade. Então, a campainha tocou e logo o seu coração disparou. Deixou o cigarro junto as cinzas e, assim como um passe de mágica, o céu rasgou as nuvens e uma mistura de luz e cores despontou no horizonte. Um vendaval de aurora.
Era ele, sorrindo, arrumado e com as flores mais belas que seus olhos poderiam contemplar. Segurava na mão uma caixa de bombons e um Pró-Seco classe A. Ela nem se importava com as calorias ou o teor etílico que em breve inebriaria sua alma. Queria o calor daquela paixão clandestina. Seus poros exalavam raios de sol. O tempo das flores murchas havia acabado, a tempestade havia passado e veio para lavar a sua aura. A chuva agora era de desejo. Mergulhava num doce beijo e deixava seu corpo bailar junto ao dele num ritmo orquestrado pelo palpitar dos corações. Sussurros, gemidos, gozo e carícias. Ingredientes perfeitos para sua próxima anotação no caderninho. Sua vida era preenchida com a poesia da alma. Sabia exatamente das rimas, estrofes e dos seus limites. Bastava viver. Ela sempre estava pronta pro nascer do sol na manhã seguinte.

Entry filed under: Ácidos.

Maré da Vida Renascer na Manhã

6 Comentários Add your own

  • 1. Dom Marquez  |  dezembro 14, 2006 às 1:58 pm

    Êita rapaz inspirado!
    Abraceta!

    Responder
  • 2. Gabi  |  dezembro 14, 2006 às 3:22 pm

    Não sei da onde vc tira tanta inspiração!!!
    Perfeito!!

    Bjs!

    Responder
  • 3. Tati Collaro  |  dezembro 14, 2006 às 7:41 pm

    Muito bom!!!!
    Seus pensamentos….e pensamentos.

    Responder
  • 4. Edna Feitosa  |  dezembro 14, 2006 às 11:02 pm

    Mais um conto gostoso de ler e com final que fecha com maestria o texto tão bem escrito! Dancei com ela esse amor incerto! Recebi as flores e as carícias, comandadas pela sua escrita envolvente. Tb estou pronta pro próximo nascer do sol. (estou?!)
    Um abração, escritor querido.
    Edna

    Responder
  • 5. Angel Cabeza  |  dezembro 15, 2006 às 12:25 am

    Agradecendo a tua visita. Gostei do teu microconto. “E nós sempre estamos prontos para o nascer do sol na manhã seguinte”.
    Abraços,
    Angel Cabeza
    http://www.angelcesar.zip.net
    http://www.angelcabeza.oi.com.br

    Responder
  • 6. Graça Vieira  |  dezembro 17, 2006 às 1:33 am

    Olá,
    visitando esse espaço pela primeira vez. Onde houver alguma poesia e cultivo da palavra escrita estarei alimentando a busca inquieta que mora em mim.
    volterei mais vezes
    um abraço
    Gal

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


O Poeta Corrosivo:

Bruno Cazonatti - Carioca, balzaquiano. Um redator feito de resto das estrelas, que insere neste espaço os seus textos e segredos de muitas lembranças caladas, rascunhos amassados e a poeira dos pés da sua curta estrada.
Faz poesia barata com seus segredos revelados em textos compostos de desejos implícitos, e apimenta suas letras mudas, com contos imaginários, salpicados da acidez que aparece entre raios de sol e a tempestade de palavras com aroma de chuva.
Tudo isso, bem misturado às mensagens rabiscadas na essência da sua vida.
----------------------------

Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº. 9.610 de 19-02-1998.
Não copie sem permissão.
[Ácido Poético® - Todos os direitos reservados]

http://www.twitter.com/cazonatti

ø Textos Protegidos por Direito Autoral ø

Creative Commons License
Ácido Poético by Bruno Cazonatti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at Ácido Poético ®.
Permissions beyond the scope of this license may be available by: cazonatti@gmail.com

Às vezes balbucio algo no Twitter:


%d blogueiros gostam disto: